Aula de redação

FILOSOFIA E ARTE DA UEL

Posted on: junho 10, 2008


VEJA QUE ESTOU CANSADA, MAS COLOQUEI O MAIOR NÚMERO DE EXERCÍCIOS PARA VOCÊ FAZER.

NÃO CONSEGUI COPIAR OS DESENHOS E FOTOS. FAÇA O QUE É POSSÍVEL, SE HOUVER MENÇÃO A FIGURAS VOCÊ NÃO FAZ.

CONTO COM SEU TRABALHO.

01- Uma das características do som é a freqüência
e, no contexto da música, é comum a discussão
sobre os sons musicais e não musicais. Os sons
musicais são, quase sempre, separados dos
demais sons, chamados de ruídos, por não
possuírem as mesmas qualidades dos
chamados sons musicais. Portanto, na música, é
comum o uso de sons que não se caracterizam
como ruídos.
Assinale a alternativa que distingue os dois
tipos de sons:
a) Os sons musicais são aqueles que só os
instrumentos musicais são capazes de emitir; os
ruídos são todos os outros sons que ouvimos no
mundo natural.
b) Os sons musicais são estudados na Física pela
Oscilatória, que classifica e ordena os sons de
acordo com os instrumentos que os produzem.
c) Os sons musicais podem ser produzidos pela
voz humana, pelos pássaros e outros animais,
mas só os instrumentos emitem sons afinados.
d) Os sons usados geralmente nas músicas são
aqueles que vibram numa freqüência regular; os
que vibram em freqüência irregular são
considerados ruídos.
e) Os sons musicais são emitidos pela maioria dos
corpos, objetos e materiais, podendo cada um
deles ser classificado de acordo com uma
categoria sonora.
02- Comumente, a idéia de teatro se relaciona à
idéia de jogo. Uma boa parte dos teatrólogos
fala em jogos dramáticos, como um dos modos
de estimular e desenvolver o exercício poético
em arte cênica, por possuírem alguns
elementos comuns.
Assinale a alternativa que contém os elementos
do jogo dramático:
a) Personagem, ação e espaço cênico.
b) Ação, interpretação e texto.
c) Espaço cênico, iluminação e interpretação.
d) Personagem, expressão vocal e ação.
e) Interpretação, iluminação e ação.
03- Quando falamos em “Manifesto Pau Brasil” e
“Manifesto Antropofágico”, estamos falando de
duas ocorrências no campo da arte, das
primeiras décadas do século passado, que
provocaram transformações no modo de fazer e
entender a arte desde aquela época.
Assinale a alternativa que corresponde a estes
manifestos e suas respectivas características:
a) O “Manifesto Pau Brasil” foi escrito por Mário de
Andrade em 1924 . O “Manifesto Antropofágico” foi
escrito em 1928, por Oswald de Andrade. Ambos
propunham o desenvolvimento de uma estética
brasileira baseada nos valores locais, como o
artesanato e a arte plumária indígena, para que
pudéssemos construir nossa autonomia cultural.
b) O “Manifesto Pau Brasil” foi escrito por Mário de
Andrade em 1924 . O “Manifesto Antropofágico” foi
escrito em 1928, por Oswald de Andrade. Tanto o
primeiro quanto o segundo eram propostas
idealizadas segundo a estética européia, herdada
de Portugal e reforçada pela Missão Artística
Francesa, com o fim de valorizar a arte do Brasil.
c) O “Manifesto Pau Brasil” foi escrito por Mário de
Andrade em 1924, e conclamava os artistas
brasileiros para uma produção mais livre, criativa,
inovadora e brasileira, afastando-se dos padrões
europeus impostos desde a Missão Francesa. O
“Manifesto Antropofágico” foi escrito em 1928, por
Oswald de Andrade, tomando por referência o
naufrágio do navio português em que viajava o
bispo Sardinha, morto e devorado pelos índios.
Este manifesto explicita a influência da estética
estrangeira e propõe a instauração de sua
independência.
d) O “Manifesto Pau Brasil” foi escrito por Mário de
Andrade em 1924 . O “Manifesto Antropofágico” foi
escrito em 1928, por Oswald de Andrade. Estes
manifestos propunham divulgar as idéias destes
dois autores com o fim de promover o trabalho que
realizavam na arte moderna brasileira, visando à
comercialização de seus livros.
e) O “Manifesto Pau Brasil” foi escrito por Mário de
Andrade em 1924 . O “Manifesto Antropofágico” foi
escrito em 1928, por Oswald de Andrade. Tanto
um como outro esperavam, com tais manifestos,
inovar a arte brasileira, dando-lhe visibilidade,
tornando-a internacional, já que a estética reinante
no país correspondia à mesma estética difundida
no resto do mundo, como em Paris e Nova Iorque.
04- Observe a figura que mostra a pintura de Tarsila
do Amaral, “Operários”, realizada em 1931.
Com base na análise da imagem, assinale a
alternativa correta:
a) Tarsila se refere às diferentes etnias que
constituíram o corpo de trabalhadores,
possibilitando o desenvolvimento industrial de
São Paulo.
b) Tarsila se refere às raças e culturas que
compõem o país, especialmente na cidade de
Belo Horizonte.
c) Tarsila recorre ao tema étnico para dar vazão ao
sentimento xenófobo que vigorava na arte
brasileira, na década de trinta.
d) Tarsila reflete sobre o valor da indústria
nacional, pois as pessoas estão na frente da
fábrica esperando para ir trabalhar.
e) Tarsila faz uma crítica social ao mostrar as
pessoas empilhadas na frente da fábrica como
se fossem produtos para serem vendidos.
4
05- O Grupo Santa Helena, formado por volta de
1935 em torno do ateliê de Francisco Rebolo,
situado no Palacete Santa Helena, em São Paulo,
congregava artistas como Mário Zanini, Aldo
Bonadei e Alfredo Volpi, dentre outros.
Com base nos conhecimentos sobre o tema,
considere as afirmativas a seguir:
I. Oriundos, em sua maioria, de uma classe
média baixa, os participantes do Grupo
Santa Helena ligaram-se a atividades
artesanais relacionadas ao uso de tintas e
desenhos.
II. Como imigrante ou como filhos de
imigrantes, os artistas ligados ao Grupo
Santa Helena dedicaram-se à escultura, com
inspiração na cultura clássica greco-romana.
III. Os integrantes do Grupo Santa Helena
colocaram-se contra o intelectualismo e
contra a pintura acadêmica ensinada nas
escolas de belas artes.
IV. As características dos quadros do Grupo
Santa Helena estão focadas na cor, no
desenho, na temática proletária e no
despojamento da pintura.
A alternativa que contém todas as afirmativas
corretas é:
a) I e II
b) I e IV
c) II e III
d) I, III e IV
e) II, III e IV
06- Sobre a Bienal de São Paulo, criada em 1951 por
Francisco Matarazzo Sobrinho, e nos
conhecimentos sobre o tema, considere as
afirmativas a seguir.
I. A Bienal influenciará a criação artística
nacional, pois irá expor em seu espaço obras
diversas do barroco brasileiro.
II. A presença de artistas concretos suíços
repercutirá na arte brasileira, estimulando os
primeiros grupos de arte construtiva no
Brasil.
III. Defendendo o cosmopolitismo em arte, seus
curadores irão colocar a arte moderna no
Brasil em contato com a arte desenvolvida
em todo mundo.
IV. A II Bienal trouxe ao Brasil, em retrospectiva,
trabalhos vinculados ao cubismo francês, ao
futurismo italiano, aos abstratos franceses e
norte-americanos, influenciando a arte
moderna brasileira.
A alternativa que contém todas as afirmativas
corretas é:
a) I e II
b) I e III
c) III e IV
d) I, II e III
e) II, III e IV
07- Em 1968, Augusto de Campos escreve: “Superbomgosto
e supermaugosto, o fino e o grosso, […],
berimbau e beatles, bossa e bolero são inventariados
e reinventados, na compressão violenta
desses discos-happenings onde até o redundante
“coração materno” volta a pulsar com os tiros de
canhão da informação nova.”
Fonte: CAMPOS, A. Balanço da Bossa e outras bossas, São
Paulo: Perspectiva, 5a ed., 1993, p. 262.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o
tema, é correto afirmar que o autor se refere:
a) À Jovem Guarda, movimento musical que
incorporava ao seu universo as influências do
Rock, sobretudo dos Beatles, além da
incorporação dos happenings, expressão
artística que aflorou no campo das artes nos
anos sessenta.
b) À Bossa Nova, movimento musical que tinha
como princípio resgatar o folclore regional
oriundo do nordeste brasileiro.
c) De modo geral, à música popular brasileira dos
anos sessenta, cujo foco residia, sobretudo, na
contestação da política governamental daquele
momento que adotou como lema a canção ‘É
proibido proibir”, um samba-rock.
d) Ao Tropicalismo, cuja canção “Tropicália”, de
Caetano Veloso, recebeu este título a partir de
uma instalação, com o mesmo nome, do artista
Hélio Oiticica.
e) Às pesquisas musicais de Heitor Villa-Lobos,
músico de formação erudita que assimilou em
sua música as transformações musicais da
música jovem dos anos sessenta.
08- Observe as figuras abaixo.
Com base nas figuras é correto afirmar que se
referem à arquitetura:
a) Moderna brasileira, particularmente às igrejas
católicas projetadas pelo arquiteto Oscar
Niemeyer.
b) Eclética, própria do século XIX, cuja mescla de
estilos variados é a marca de sua linguagem
arquitetônica.
c) Barroca, realizada no Brasil no século XVIII.
d) Neoclássica brasileira, cujas regras
arquitetônicas foram determinadas pela Missão
Francesa que chegou ao Brasil na segunda
década do século XIX.
e) Religiosa de estilo Art Nouveau, desenvolvida
no Brasil nas primeiras décadas do século XIX.
5
09- Com relação ao movimento cinematográfico
conhecido no Brasil como Cinema Novo,
considere as afirmativas a seguir:
I. O Cinema Novo foi um movimento de
descolonizacão cultural, levando para as
telas de cinema histórias que descreviam
problemas sociais do Brasil, com alguns
filmes que enfatizaram os problemas sociais
do nordeste brasileiro.
II. O Cinema Novo adaptou alguns clássicos da
literatura brasileira para as telas de cinema,
entre eles livros de Mário de Andrade,
Oswald de Andrade, Gilberto Freyre e
Graciliano Ramos.
III. A linguagem das Chanchadas foi assimilada
pelo Cinema Novo, sobretudo porque o
movimento pretendia um cinema baseado no
entretenimento acessível a todas as classes
sociais.
IV. Em 1969, a estética do Cinema Novo é
reconhecida internacionalmente com a
premiacão de melhor diretor, em Cannes, de
Glauber Rocha.
A alternativa que contém todas as afirmativas
corretas é:
a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) I, II e III.
e) I, II e IV.
10- “A arte é muitas coisas. Uma das coisas que a arte é,
parece, é uma transformação simbólica do mundo.
Quer dizer: o artista cria um mundo outro […] por cima
da realidade imediata. […] Naturalmente, esse mundo
que o artista cria ou inventa nasce de sua cultura, de
sua experiência de vida, das idéias que ele tem na
cabeça, enfim, de sua visão de mundo, que tanto pode
ser erudita como ingênua. Se é ingênua, diz-se que o
pintor é primitivo. Mas que é cultura ingênua? […]
Seria, em termos genéricos, o que se chama de cultura
popular.”
Fonte: GULLAR, F. Sobre arte, sobre poesia (Uma luz no
chão). Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 2006, p. 105-106.
Com base no texto e na análise iconográfica das
figuras a seguir, assinale a alternativa que
corresponde à arte ingênua e ou primitiva:
Figura I
Figura II
Figura III
Figura IV
Figura V
a) I e II.
b) I e III.
c) I, II e IV.
d) I, III e V.
e) III, IV e V.
11- Jornalista, cronista e escritor de peças de teatro,
Nelson Rodrigues revolucionou o teatro
brasileiro, em 1943, com o texto Vestido de
Noiva, encenada por Ziembinski, no mesmo ano.
Alguns de seus textos de teatro também foram
adaptados para o cinema.
Assinale a alternativa que lista peças de teatro
do dramaturgo em questão:
a) O Abajur Lilás; Senhora dos Afogados; O Rei da
Vela; A Falecida.
b) Álbum de Família; A Falecida; Toda Nudez Será
Castigada; Bonitinha, mas Ordinária.
c) O Rei da Vela; Dois Perdidos numa Noite Suja;
Álbum de Família; Toda Nudez Será Castigada.
d) A Morta; O Rei da Vela; O Homem e o Cavalo;
Navalha na Carne.
e) Dois Perdidos numa Noite Suja; Navalha na
Carne; A Morta; O Homem e o Cavalo.
6
12- “A redução dos elementos pictóricos e plásticos ao
nível dos fatos perceptivos imediatos foi uma
necessidade real no processo crítico da pintura
moderna, e está ligado, como o problema da
representação da natureza, à evolução dessa arte
para uma linguagem nova, independente, sem
alusão à aparência do mundo. Se com o
impressionismo começa a demolição da linguagem
tradicional que explode definitivamente no cubismo,
é com Mondrian que o problema é posto em toda a
sua evidência: a representação do mundo é
reduzida a linhas e planos de cores puras. São
esses elementos que se fragmentarão mais tarde
nas experiências bauhausianas e na pintura
concreta”.
Fonte: Gullar, F. Etapas da Arte Contemporânea. São Paulo,
Nobel. 1985, p.234-235
Ferreira Gullar é um dos críticos que melhor
enfrentou a questão da modernidade na arte,
especialmente junto ao público brasileiro.
Com base no texto, assinale a alternativa correta
no que diz respeito à arte moderna:
a) Está sempre ligada à representação da natureza
por valorizar a percepção dos fatos.
b) Lida com formas puras e prescinde da
representação da natureza.
c) A partir do impressionismo e depois com o
cubismo, contribuiu para a demolição da arte.
d) Para ser realizada, não dependia da percepção
imediata.
e) Por ser uma linguagem nova, precisava fazer
alusão à aparência do mundo.
13- As figuras, a seguir, mostram pinturas expostas
por Anita Malfatti.
Ritmo (Torso), 1917
A Boba, 1916
O Homem Amarelo, 1922
Com base nas figuras e nos conhecimentos
sobre as obras de Anita Malfatti que manifestam
um dos estilos característicos da Arte Moderna,
assinale a alternativa que contempla o estilo e
sua descrição correta:
a) Impressionismo. Caracterizado pela diluição das
figuras por meio da luz e da cor.
b) Cubismo. Observação do modelo por diversos
ângulos, fragmentação das figuras e da cor.
c) Expressionismo. Afastamento das figuras do
mundo natural e uso arbitrário da cor.
d) Futurismo. Uso temático do movimento pelos
gestos, figuras e traços marcados na
distribuição das linhas e cores.
e) Construtivismo. Uso de figuras geométricas e
seu desenvolvimento no espaço.
14- Abaixo estão transcritas as três primeiras
estrofes do poema de Manuel Bandeira, “Os
Sinos”.
“Sino de Belém,
Sino da Paixão…
Sino de Belém,
Sino da Paixão…
Sino do Bonfim!..
Sino do Bonfim!..[…]”
Pode-se dizer que a leitura destas três estrofes
leva a pensar numa cadência. Essa cadência é
utilizada na Música para dar-lhe unidade. Assinale
a alternativa que corresponde ao conceito e à
característica de ritmo:
a) Seqüência organizada de notas musicais.
b) Melodia distribuída na pauta musical.
c) Resultado da melodia quando se usa a percussão.
d) Ordenação sistematizada entre sons e silêncios.
e) Ordenação de sons aleatórios na composição
musical.
7
15- Os sons utilizados na Música tradicional podem
ser separados em dois tipos: melódicos e
harmônicos. Assinale a alternativa que
corresponde à descrição correta desses dois tipos
citados:
a) Sons melódicos são os sons da melodia; os
harmônicos são os sons dos instrumentos.
b) Sons melódicos são pertinentes aos instrumentos
de sopro; os harmônicos são os sons dos
instrumentos de percussão.
c) Sons melódicos são aqueles ordenados numa
seqüência de notas; sons harmônicos são aqueles
emitidos por notas simultâneas.
d) Sons melódicos correspondem ao canto; os
harmônicos correspondem aos sons dos
instrumentos.
e) Sons melódicos correspondem a notas
simultâneas; os sons harmônicos são emitidos em
seqüência.
16- Analise o poema e a imagem a seguir.
“Poema de processo
Forma útil
Novas possibilidades para cada novo
Material.visualização da estrutura/
Leitura do processo
Nível técnico igual a evolução:
O desuso do objeto único”
Fonte: PINTO, W. D. Processo: linguagem e comunicação. In:
TELES, G. Vanguarda Européia e Modernismo Brasileiro.
Petrópolis, Vozes, 1972. p. 264.
Fonte: www1.uol.com.br/…/nuh/enuhclark03b.htm. Acessado em
20 nov. 2006.
Com base no texto, na imagem e nos
conhecimentos sobre o tema, é correto afirmar:
a) O termo neoconcreto indica uma tomada de
posição frente à arte figurativa, especialmente à
arte negra levada a um racionalismo extremo.
b) Os artistas ligados à pintura, escultura, gravura
e literatura, que participaram do movimento
neoconcreto, desconhecem as posições
teóricas da arte concreta.
c) Nascida com a ação impressionista da
linguagem pictórica, a arte neoconcreta adota
uma posição oposta às técnicas e alegorias
desenvolvidas pela arte concreta.
d) As noções mecânicas de construção serão
apropriadas pelos artistas neoconcretos,
gerando objetos próximos aos executados pelos
artistas do realismo mágico.
e) O neoconcreto irá negar a validade das atitudes
cientificistas e positivistas em arte e repor, em
debate, o problema da expressão.
17- “Durante muitos séculos a arte procurou imitar a
realidade, principalmente as artes visuais como a
pintura, o desenho e a escultura. O valor do artista
estava, então, na sua capacidade de imitar a
natureza com fidelidade e perfeição. […] Essa
exigência vem dos gregos e romanos, ou seja, da
antiguidade clássica”.
OLIVEIRA, J. e GARCEZ, L. Explicando a Arte. Rio de Janeiro,
Ediouro, 2002, p. 16.
Por outro lado, “A ruptura modernista em artes
visuais e literatura, entre 1917 e 1945, buscou
capitalizar atenção do público letrado investindo
agressivamente contra o gosto estabelecido da
época, e que tinha muito a ver com os cânones
neoclássicos e maneirismos acadêmicos”.
DURAND, J. C. Arte Privilégio e Distinção. São Paulo,
Perspectiva/ Edusp, 1989, p. 34.
Com base no texto e figuras anteriores, assinale
a alternativa que corresponde às obras de
artistas modernistas:
a) 1 e 5
b) 2 e 3
c) 3 e 6
d) 4 e 5
e) 1 e 6
1- 2-
3- 4-
5- 6-
8
18- O universo sonoro, que constitui o meio em que
vivemos, é composto de sons de diferentes
origens. Os sons produzidos pelas coisas e
pelas pessoas podem ser ordenados de modo a
se tornarem música. Assinale a alternativa que
contém três das qualidades sonoras
compatíveis com a música:
a) Volume, densidade e timbre.
b) Altura, intensidade e afinação.
c) Timbre, duração e densidade.
d) Intensidade, densidade e ritmo.
e) Altura, duração e timbre.
19- “Por volta de 1951, surgiram no Brasil as primeiras
manifestações de arte concreta, e essas
manifestações não brotavam como resultado natural
da evolução da moderna pintura brasileira e sim
como reação à ela”.
GULLAR, F. Etapas da Arte Contemporânea. São Paulo,
Nobel, 1985, p. 227.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o
Concretismo no Brasil, é correto afirmar que as
obras concretas:
a) Tentavam estilizar as figuras dando-lhes
aspectos geométricos como se fossem
construídas com régua e compasso.
b) Eram aquelas realizadas por meio de gestos e
cores dando conta da expressividade e
genialidade do artista.
c) Eram realizadas a partir dos dogmas cristãos,
que viam o mundo natural como expressão da
divindade.
d) Relacionavam-se à imitação do mundo natural e
a tudo aquilo que se referia à realidade
concreta.
e) Relacionavam-se aos aspectos óticos,
matemáticos e geométricos do espaço e não à
imitação do mundo natural.
20- No contexto da Arte Cênica ou do espetáculo,
encontramos a Dança e o Teatro. Diferentemente
da Dança, uma das características do Teatro é
realizar um tipo de fingimento, ou seja, criar a
sensação de que uma cena, um acontecimento
de ficção possa ser entendido como verdadeiro.
Esta característica, dentre outras, serve para
distinguir o Teatro de outras manifestações
artísticas.
Assinale a alternativa que traz três das
características do Teatro:
a) Representação, Decoração e Imitação.
b) Representação, Impostação e Imaginação.
c) Representação, Iluminação e Concentração.
d) Representação, Direção e Iluminação.
e) Representação, Ensaio e Impostação.
FILOSOFIA
21- Considere a citação abaixo:
“Sócrates: Tomemos como princípio que todos os
poetas, a começar por Homero, são simples
imitadores das aparências da virtude e dos outros
assuntos de que tratam, mas que não atingem a
verdade. São semelhantes nisso ao pintor de que
falávamos há instantes, que desenhará uma
aparência de sapateiro, sem nada entender de
sapataria, para pessoas que, não percebendo mais
do que ele, julgam as coisas segundo a aparência?”
Glauco – “Sim”.
Fonte: PLATÃO. A República. Tradução de Enrico Corvisieri.
São Paulo: Nova Cultural, 1997. p.328.
Com base no texto acima e nos conhecimentos
sobre a mímesis em Platão, assinale a
alternativa correta.
a) Platão critica a pintura e a poesia porque ambas
são apenas imitações diretas da realidade.
b) Para Platão, os poetas e pintores têm um
conhecimento válido dos objetos que
representam.
c) Tanto os poetas quanto os pintores estão,
segundo a teoria de Platão, afastados dois
graus da verdade.
d) Platão critica os poetas e pintores porque estes,
à medida que conhecem apenas as aparências,
não têm nenhum conhecimento válido do que
imitam ou representam.
e) A poesia e a pintura são criticadas por Platão
porque são cópias imperfeitas do mundo das
idéias.
22- Tendo por base o método cartesiano da dúvida,
é correto afirmar que:
a) Este método visa a remover os preconceitos e
opiniões preconcebidas e encontrar uma
verdade indubitável.
b) Ao engendrar a dúvida hiperbólica, o objetivo de
Descartes era provar que suas antigas opiniões,
submetidas ao escrutínio da dúvida, eram
verdadeiras.
c) A dúvida hiperbólica é engendrada por
Descartes para mostrar que não podemos
rejeitar como falso o que é apenas dubitável.
d) Só podemos dar assentimento às opiniões
respaldadas pela tradição.
e) A dúvida metódica surge, no espírito humano,
involuntariamente.
23- Leia o texto a seguir.
“Dado que todo súdito é por instituição autor de
todos os atos e decisões do soberano instituído,
segue-se que nada do que este faça pode ser
considerado injúria para com qualquer de seus
súditos, e que nenhum deles pode acusá-lo de
injustiça”.
Fonte: HOBBES, T. Leviatã, ou, Matéria, forma e poder de um
estado eclesiástico e civil. Tradução de João Paulo Monteiro e
Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Nova Cultural, 1988, p.
109.
9
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o
contratualismo de Hobbes, é correto afirmar:
a) O soberano tem deveres contratuais com os
seus súditos.
b) O poder político tem como objetivo principal
garantir a liberdade dos indivíduos.
c) Antes da instituição do poder soberano, os
homens viviam em paz.
d) O poder soberano não deve obediência às leis
da natureza.
e) Acusar o soberano de injustiça seria como
acusar a si mesmo de injustiça.
24- “De acordo com a ética do Discurso, uma norma só
deve pretender validez quando todos os que
possam ser concernidos por ela cheguem (ou
possam chegar), enquanto participantes de um
Discurso prático, a um acordo quanto à validez
dessa norma”.
Fonte: Habermas, J. Consciência moral e agir comunicativo.
Tradução de Guido A. de Almeida. Rio de Janeiro: Tempo
Brasileiro, 1989, p.86.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre a
Ética do Discurso de Habermas, assinale a
alternativa correta:
a) O princípio possibilitador do consenso deve
assegurar que somente sejam aceitas como
válidas as normas que exprimem um desejo
particular.
b) Nas argumentações morais basta que um
indivíduo reflita se poderia dar seu assentimento
a uma norma.
c) Os problemas que devem ser resolvidos em
argumentações morais podem ser superados
apenas monologicamente.
d) O princípio que norteia a ética do discurso de
Habermas expressa-se, literalmente, nos
mesmos termos do imperativo categórico
kantiano.
e) Uma norma só poderá ser considerada correta
se todos os envolvidos estiverem de acordo em
dar-lhe o seu consentimento.
25- Segundo Francis Bacon, “são de quatro gêneros
os ídolos que bloqueiam a mente humana. Para
melhor apresentá-los, lhes assinamos nomes, a
saber: Ídolos da Tribo; Ídolos da Caverna; Ídolos do
Foro e Ídolos do Teatro”.
Fonte: BACON, F. Novum Organum. Tradução de José Aluysio
Reis de Andrade. São Paulo: Nova Cultural, 1988, p. 21.
Com base nos conhecimentos sobre Bacon, os
Ídolos da Tribo são:
a) Os ídolos dos homens enquanto indivíduos.
b) Aqueles provenientes do intercurso e da
associação recíproca dos indivíduos.
c) Aqueles que imigraram para o espírito dos
homens por meio das diversas doutrinas
filosóficas.
d) Aqueles que chegam ao espírito humano por
meio de regras viciosas de demonstração.
e) Aqueles fundados na própria natureza humana.
26- Na segunda seção da Fundamentação da
Metafísica dos Costumes, Kant nos oferece
quatro exemplos de deveres. Em relação ao
segundo exemplo, que diz respeito à falsa
promessa, Kant afirma que uma “pessoa vê-se
forçada pela necessidade a pedir dinheiro
emprestado. Sabe muito bem que não poderá
pagar, mas vê também que não lhe emprestarão
nada se não prometer firmemente pagar em prazo
determinado. Sente a tentação de fazer a promessa;
mas tem ainda consciência bastante para perguntar
a si mesma: Não é proibido e contrário ao dever
livrar-se de apuros desta maneira? Admitindo que
se decida a fazê-lo, a sua máxima de ação seria:
Quando julgo estar em apuros de dinheiro, vou pedilo
emprestado e prometo pagá-lo, embora saiba que
tal nunca sucederá”.
Fonte: KANT, I. Fundamentação da Metafísica dos Costumes.
Tradução de Paulo Quintela. São Paulo: Abril Cultural, 1980, p.
130.
De acordo com o texto e os conhecimentos
sobre a moral kantiana, considere as afirmativas
a seguir:
I. Para Kant, o princípio de ação da falsa
promessa não pode valer como lei universal.
II. Kant considera a falsa promessa moralmente
permissível porque ela será praticada apenas
para sair de uma situação momentânea de
apuros.
III. A falsa promessa é moralmente reprovável
porque a universalização de sua máxima
torna impossível a própria promessa.
IV. A falsa promessa é moralmente reprovável
porque vai de encontro às inclinações
sociais do ser humano.
A alternativa que contém todas as afirmativas
corretas é:
a) I e II
b) I e III
c) II e IV
d) I, II e III
e) I, II e IV
27- “Desde suas origens entre os filósofos da antiga
Grécia, a Ética é um tipo de saber normativo, isto é,
um saber que pretende orientar as ações dos seres
humanos”.
Fonte: CORTINA, A.; MARTÍNEZ, E. Ética. Tradução de Silvana
Cobucci Leite. São Paulo: Edições Loyola, 2000, p. 9.
Com base no texto e na compreensão da ética
aristotélica, é correto afirmar que a ética:
a) Orienta-se pelo procedimento formal de regras
universalizáveis, como meio de verificar a
correção ética das normas de ação.
b) Adota a situação ideal de fala como condição
para a fixação de princípios éticos básicos, a
partir da negociação discursiva de regras a
serem seguidas pelos envolvidos.
c) Pauta-se pela teleologia, indicando que o bem
supremo do homem consiste em atividades que
lhe sejam peculiares, buscando a sua realização
de maneira excelente.
10
d) Contempla o hedonismo, indicando que o bem
supremo a ser alcançado pelo homem reside na
felicidade e esta consiste na realização plena
dos prazeres.
e) Baseada no emotivismo, busca justificar a
atitude ou o juízo ético mediante o recurso dos
próprios sentimentos dos agentes, de forma a
influir nas demais pessoas.
28- “Há, porém, algo de fundamentalmente novo na
maneira como os Gregos puseram a serviço do seu
problema último – da origem e essência das coisas
– as observações empíricas que receberam do
Oriente e enriqueceram com as suas próprias, bem
como no modo de submeter ao pensamento teórico
e casual o reino dos mitos, fundado na observação
das realidades aparentes do mundo sensível: os
mitos sobre o nascimento do mundo.”
Fonte: JAEGER, W. Paidéia. Tradução de Artur M. Parreira.
3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995, p. 197.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre a
relação entre mito e filosofia na Grécia, é correto
afirmar:
a) Em que pese ser considerada como criação dos
gregos, a filosofia se origina no Oriente sob o
influxo da religião e apenas posteriormente
chega à Grécia.
b) A filosofia representa uma ruptura radical em
relação aos mitos, representando uma nova
forma de pensamento plenamente racional
desde as suas origens.
c) Apesar de ser pensamento racional, a filosofia
se desvincula dos mitos de forma gradual.
d) Filosofia e mito sempre mantiveram uma
relação de interdependência, uma vez que o
pensamento filosófico necessita do mito para se
expressar.
e) O mito já era filosofia, uma vez que buscava
respostas para problemas que até hoje são
objeto da pesquisa filosófica.
29- “E, notando que esta verdade: eu penso, logo
existo, era tão firme e tão certa que todas as mais
extravagantes suposições dos céticos não seriam
capazes de a abalar”.
Fonte: Descartes, R. Discurso do Método. Tradução de J.
Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Nova Cultural, 1987,
p. 46.
Com base na citação acima e nos conhecimentos
sobre Descartes, assinale a alternativa
correta:
a) Para Descartes, é mais fácil conhecer o corpo
do que a alma.
b) Descartes estabelece que a alma tem uma
natureza puramente intelectual.
c) Segundo Descartes, a verdade da res extensa
precede a verdade da res cogitans.
d) O eu penso, logo existo revela a perspectiva
cartesiana em considerar primeiramente aquilo
que é complexo.
e) A união da alma e do corpo revela que eles
possuem a mesma substância.
30- “Todos os homens, por natureza, desejam
conhecer. Sinal disso é o prazer que nos
proporcionam os nossos sentidos; pois, ainda que
não levemos em conta a sua utilidade, são
estimados por si mesmos; e, acima de todos os
outros, o sentido da visão”. Mais adiante,
Aristóteles afirma: “Por outro lado, não
identificamos nenhum dos sentidos com a
Sabedoria, se bem que eles nos proporcionem o
conhecimento mais fidedigno do particular. Não nos
dizem, contudo, o porquê de coisa alguma”.
Fonte: ARISTÓTELES, Metafísica. Tradução de Leonel
Vallandro. Porto Alegre: Globo, 1969, p. 36 e 38.
Com base nos textos acima e nos
conhecimentos sobre a metafísica de
Aristóteles, considere as afirmativas a seguir.
I. Para Aristóteles, o desejo de conhecer é
inato ao homem.
II. O desejo de adquirir sabedoria em sentido
pleno representa a busca do conhecimento
em mais alto grau.
III. O grau mais alto de conhecimento manifestase
no prazer que sentimos em utilizar nossos
sentidos.
IV. Para Aristóteles, a sabedoria é a ciência das
causas particulares que produzem os
eventos.
A alternativa que contém todas as afirmativas
corretas é:
a) I e II
b) II e IV
c) I, II e III
d) I, III e IV
e) II, III e IV
31- “Assim como a natureza ensinou-nos o uso de
nossos membros sem nos dar o conhecimento dos
músculos e nervos que os comandam, do mesmo
modo ela implantou em nós um instinto que leva
adiante o pensamento em um curso correspondente
ao que ela estabeleceu para os objetos externos,
embora ignoremos os poderes e as forças dos quais
esse curso e sucessão regulares de objetos
totalmente dependem”.
Fonte: HUME, D. Investigação sobre o entendimento humano.
Tradução de José Oscar de Almeida Marques. São Paulo:
Editora UNESP, 1999, p.79-80.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre a
teoria do conhecimento de Hume, assinale a
alternativa correta:
a) Para Hume, o princípio responsável por nossas
inferências causais chama-se instinto de
autoconservação.
b) Entre o curso da natureza e o nosso
pensamento não há qualquer correspondência.
c) Na teoria de Hume, a atividade mental
necessária à nossa sobrevivência é garantida
pelo conhecimento racional das operações da
natureza.
d) O instinto ao qual Hume se refere chama-se
hábito ou costume.
e) Segundo Hume, são os raciocínios a priori que
garantem o conhecimento das questões de fato.
11
32- “A filosofia grega parece começar com uma idéia
absurda, com a proposição: a água é a origem e a
matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário
deter-nos nela e levá-la a sério? Sim, e por três
razões: em primeiro lugar, porque essa proposição
enuncia algo sobre a origem das coisas; em
segundo lugar, porque faz sem imagem e fabulação;
e enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora
apenas em estado de crisálida, está contido o
pensamento: ‘Tudo é um’. A razão citada em
primeiro lugar deixa Tales ainda em comunidade
com os religiosos e supersticiosos, a segunda o tira
dessa sociedade e no-lo mostra como investigador
da natureza, mas, em virtude da terceira, Tales se
torna o primeiro filósofo grego”.
Fonte: NIETZSCHE, F. Crítica Moderna. In: Os Pré-Socráticos.
Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Nova
Cultural, 1999. p. 43.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre
Tales e o surgimento da filosofia, considere as
afirmativas a seguir.
I. Com a proposição sobre a água, Tales reduz
a multiplicidade das coisas e fenômenos a
um único princípio do qual todas as coisas e
fenômenos derivam.
II. A proposição de Tales sobre a água
compreende a proposição ‘Tudo é um’.
III. A segunda razão pela qual a proposição
sobre a água merece ser levada a sério
mostra o aspecto filosófico do pensamento
de Tales.
IV. O Pensamento de Tales gira em torno do
problema fundamental da origem da virtude.
A alternativa que contém todas as afirmativas
corretas é:
a) I e II
b) II e III
c) I e IV
d) I, II e IV
e) II, III e IV
33- “Em todos os juízos em que for pensada a relação
de um sujeito com o predicado […], essa relação é
possível de dois modos. Ou o predicado B pertence
ao sujeito A como algo contido (ocultamente) nesse
conceito A, ou B jaz completamente fora do conceito
A, embora esteja em conexão com o mesmo. No
primeiro caso, denomino o juízo analítico, no outro
sintético”.
Fonte: KANT, I. Crítica da Razão Pura. Tradução de Valério
Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo: Abril Cultural,
1980. p.27.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre a
distinção kantiana entre juízos analíticos e
sintéticos, assinale a alternativa que apresenta
um juízo sintético a posteriori:
a) Todo corpo é extenso.
b) Todo corpo é pesado.
c) Tudo que acontece tem uma causa.
d) 7 + 5 = 12.
e) Todo efeito tem uma causa.
34- “Em suma, o que é a aura? É uma figura singular,
composta de elementos espaciais e temporais: a
aparição única de uma coisa distante, por mais
perto que ela esteja. Observar, em repouso, numa
tarde de verão, uma cadeia de montanhas no
horizonte, ou um galho, que projeta sua sombra
sobre nós, significa respirar a aura dessas
montanhas, desse galho. Graças a essa definição, é
fácil identificar os fatores sociais específicos que
condicionam o declínio atual da aura. Ele deriva de
duas circunstâncias, estreitamente ligadas à
crescente difusão e intensidade dos movimentos de
massas. Fazer as coisas ‘ficarem mais próximas’ é
uma preocupação tão apaixonada das massas
modernas como sua tendência a superar o caráter
único de todos os fatos através da sua
reprodutibilidade”.
Fonte: BENJAMIN, W. “A obra de arte na era de sua
reprodutibilidade técnica”. In: Magia e Técnica, Arte e Política.
Obras Escolhidas. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São
Paulo: Brasiliense, 1985, p. 170.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre
Benjamin, assinale a alternativa correta:
a) Ao passar do campo religioso ao estético, a
obra de arte perdeu sua aura.
b) Ao se tornarem autônomas, as obras de arte
perderam sua qualidade aurática.
c) O declínio da aura decorre do desejo de
diminuir a distância e a transcendência dos
objetos artísticos.
d) O valor de culto de uma obra de arte suscita a
reprodutibilidade técnica.
e) O declínio da aura não tem relação com as
transformações contemporâneas.
35- Karl Popper, em “A lógica da investigação
científica”, se opõe aos métodos indutivos das
ciências empíricas. Em relação a esse tema, diz
Popper: “Ora, de um ponto de vista lógico, está
longe de ser óbvio que estejamos justificados ao
inferir enunciados universais a partir dos singulares,
por mais elevado que seja o número destes
últimos”.
Fonte: POPPER, K. R. A lógica da investigação científica.
Tradução de Pablo Rubén Mariconda. São Paulo: Abril
Cultural, 1980, p.3.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre
Popper, assinale a alternativa correta:
a) Para Popper, qualquer conclusão obtida por
inferência indutiva é verdadeira.
b) De acordo com Popper, o princípio da indução
não tem base lógica porque a verdade das
premissas não garante a verdade da conclusão.
c) Uma inferência indutiva é aquela que, a partir
de enunciados universais, infere enunciados
singulares.
d) A observação de mil cisnes brancos justifica,
segundo Popper, a conclusão de que todos os
cisnes são brancos.
e) Para Popper, a solução para o problema do
princípio da indução seria passar a considerá-lo
não como verdadeiro, mas apenas como
provável.
12
36- “Deveis saber, portanto, que existem duas formas
de se combater: uma, pelas leis, outra, pela força. A
primeira é própria do homem; a segunda, dos
animais. […] Ao príncipe torna-se necessário,
porém, saber empregar convenientemente o animal
e o homem. […] Sendo, portanto, um príncipe
obrigado a bem servir-se da natureza da besta,
deve dela tirar as qualidades da raposa e do leão,
pois este não tem defesa alguma contra os laços, e
a raposa, contra os lobos. Precisa, pois, ser raposa
para conhecer os laços e leão para aterrorizar os
lobos. Os que se fizerem unicamente de leões não
serão bem-sucedidos. Por isso, um príncipe
prudente não pode nem deve guardar a palavra
dada quando isso se lhe torne prejudicial e quando
as causas que o determinaram cessem de existir”.
Fonte: MAQUIAVEL, N. O Príncipe. Tradução de Lívio Xavier.
São Paulo: Nova Cultural, 1993, cap, XVIII, p.101-102.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre
O Príncipe de Maquiavel, assinale a alternativa
correta:
a) Os homens não devem recorrer ao combate
pela força porque é suficiente combater
recorrendo-se à lei.
b) Um príncipe que interage com os homens,
servindo-se exclusivamente de qualidades
morais, certamente terá êxito em manter-se no
poder.
c) O príncipe prudente deve procurar vencer e
conservar o Estado, o que implica o desprezo
aos valores morais.
d) Para conservar o Estado, o príncipe deve
sempre partir e se servir do bem.
e) Para a conservação do poder, é necessário
admitir a insuficiência da força representada
pelo leão e a importância da habilidade da
raposa.
37- “E justiça é aquilo em virtude do qual se diz que o
homem justo pratica, por escolha própria, o que é
justo, e que distribui, seja entre si mesmo e um
outro, seja entre dois outros, não de maneira a dar
mais do que convém a si mesmo e menos ao seu
próximo (e inversamente no relativo ao que não
convém), mas de maneira a dar o que é igual de
acordo com a proporção; e da mesma forma quando
se trata de distribuir entre duas outras pessoas”.
Fonte: ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de Leonel
Vallandro e Gerd Bornheim da versão inglesa de W. D. Ross.
São Paulo: Nova Cultural, 1987, p. 89.
De acordo com o texto e os conhecimentos
sobre a justiça em Aristóteles, é correto afirmar:
a) É possível que um homem aja injustamente sem
ser injusto.
b) A justiça é uma virtude que não pode ser
considerada um meio-termo.
c) A justiça corretiva deve ser feita de acordo com
o mérito.
d) Os partidários da democracia identificam o
mérito com a excelência moral .
e) Os partidários da aristocracia identificam o
mérito com a riqueza.
38- “A passagem do estado de natureza para o estado civil
determina no homem uma mudança muito notável,
substituindo na sua conduta o instinto pela justiça e
dando às suas ações a moralidade que antes lhe
faltava. E só então que, tomando a voz do dever o
lugar do impulso físico, e o direito o lugar do apetite, o
homem, até aí levando em consideração apenas sua
pessoa, vê-se forçado a agir, baseando-se em outros
princípios e a consultar a razão antes de ouvir suas
inclinações”.
Fonte: ROUSSEAU, J. Do contrato social. Tradução de
Lourdes Santos Machado. São Paulo: Nova Cultural, 1999, p.77.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o
contratualismo de Rousseau, assinale a alternativa
correta:
a) Por meio do contrato social, o homem adquire
uma liberdade natural e um direito ilimitado.
b) O homem no estado de natureza é
verdadeiramente senhor de si mesmo.
c) A obediência à lei que se estatui a si mesmo é
liberdade.
d) A liberdade natural é limitada pela vontade
geral.
e) Os princípios, que dirigem a conduta dos
homens no estado civil, são os impulsos e
apetites.
39- “Ora, nós chamamos aquilo que deve ser buscado por
si mesmo mais absoluto do que aquilo que merece ser
buscado com vistas em outra coisa, e aquilo que
nunca é desejável no interesse de outra coisa mais
absoluto do que as coisas desejáveis tanto em si
mesmas como no interesse de uma terceira; por isso
chamamos de absoluto e incondicional aquilo que é
sempre desejável em si mesmo e nunca no interesse
de outra coisa”.
Fonte: ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de Leonel
Vallandro e Gerd Bornheim. São Paulo: Nova Cultural, 1987,
1097b, p. 15.
De acordo com o texto e os conhecimentos sobre a
ética de Aristóteles, assinale a alternativa correta:
a) Segundo Aristóteles, para sermos felizes é
suficiente sermos virtuosos.
b) Para Aristóteles, o prazer não é um bem desejado
por si mesmo, tampouco é um bem desejado no
interesse de outra coisa.
c) Para Aristóteles, as virtudes não contam entre os
bens desejados por si mesmos.
d) A felicidade é, para Aristóteles, sempre desejável
em si mesma e nunca no interesse de outra coisa.
e) De acordo com Aristóteles, para sermos felizes
não é necessário sermos virtuosos.
40- De acordo com seu conhecimento sobre a ética
de Spinoza, é correto afirmar:
a) A necessidade não se aplica às ações livres do
homem.
b) O homem virtuoso procura agir com compaixão.
c) A felicidade é o prêmio da virtude, pois a ação
virtuosa tem como recompensa a felicidade.
d) Quanto mais um homem se esforça por
preservar o seu ser, mais ele é virtuoso.
e) O homem é mais livre na solidão, pois aí ele só
obedece a si mesmo.

ATENÇAÕ: ALGUMAS QUESTÕES FORAM ANULADAS, NÃO SEI DIZER QUAIS.

2 Respostas to "FILOSOFIA E ARTE DA UEL"

klmqvuah mwfpdkuzo hkycie jqem ykugzf hqlsipyb raixdu

nÃO CONSIGO LER OS POSTS…VIERAM 3 ILEGÍVEIS.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: