Aula de redação

Proposta de carta dissertativa. Ferreira Gullar

Posted on: junho 22, 2008

desenho da rose(hi hi hi)

Escreva uma carta dissertativa a Ferreira Gullar. Se gostar do texto cumprimente-o ! E coloque argumentos que evidenciem que você aprovou as idéias dele.  Se não as achou procedentes, escreva também e use outros argumentos.

Resmungos gramaticais

FERREIRA GULLAR


NÃO TENHO, obviamente, a intenção de aborrecer o leitor com minhas manias. Aliás, se dependesse de mim, só escreveria crônicas divertidas em vez de resmungos, graçolas. Mas é que sofro de manias e uma delas é de chatear-me com certas expressões, que vão se tornando comuns e que me parecem erradas. Está bem, está bem, já sei que não existem erros no uso do idioma, pelos menos, essa é a opinião dos lingüistas, e a última coisa que quero é ser considerado por eles um sujeito ultrapassado e ranheta. Mas que posso fazer? Se o cara, referindo-se à semana em que estamos, diz “essa” em vez de “esta”, tenho vontade de lhe mostrar a língua.
Lembram-se da época em que, a três por dois, usava-se a expressão “a nível de”? Essa é uma expressão espanhola e a pronúncia correta é “nivél”, com acento na última sílaba. Não se sabe como nem por que, políticos, jornalistas, deputados, advogados passaram, todos, a usá-la. Começaram dizendo, por exemplo, “a nível de teoria política”, depois “a nível de perseguição policial” e chegaram a jóias como “a nível de ração para cachorros”. Eu sei que está tudo correto e que eu é que sou um chato de galocha, mas sinto-me aliviado ao ver que a mania passou e já ninguém fala “a nível de”. Chego a consolar-me com a suposição de que a língua mesma se encarrega de expurgar esses contrabandos verbais.
Ainda assim, tenho minhas dúvidas, pois a cada momento ouço pessoas instruídas e inteligentes falarem “isso não significa dizer”, o que é uma tradução ruim do inglês. Por que não usam a expressão nossa, legítima e simples “isso não quer dizer”? E a mania agora (já de algum tempo) é usar o verbo postergar em vez de adiar. Você diria a alguém: “aquele nosso almoço vai ter que ser postergado?” Se não falaria assim, não escreva assim, essa é uma boa regra. Mas por que me incomodar com isso, já que ser pernóstico não é o pior dos defeitos?
Há defeitos piores, claro, e mesmo no terreno do idioma, em que todo tipo de atentado à língua se vê com muita freqüência no nosso dia-a-dia. Como disse, não estou querendo encher a paciência dos leitores, mas já repararam como alguns comentaristas de futebol usam certos verbos? Sabemos que o futebol tem um universo verbal próprio, bastante pitoresco, aliás, contra o qual nada tenho a opor, muito pelo contrário. Acho até divertido quando o pessoal se refere a “essa” bola. Nunca dizem, por exemplo, “ele podia ter chutado a bola” e, sim, ter chutado “essa” bola. O jogador nunca “perdeu a bola” e, sim, “perdeu o domínio”. São modos de falar muito pitorescos. O que me incomoda, porém, é quando dizem “Ronaldo machucou”. Machucou o que? O pé, o tornozelo? Não, querem dizer que ele “se machucou”, mas decretaram o fim do modo reflexivo do verbo machucar. E também do verbo “classificar”. Se pretendem dizer que o Corinthians não se classificou para disputar a Taça Libertadores, dizem “o Corinthians não classificou”, como se o verbo fosse intransitivo. A origem disso, não sei qual é, se nasce da corriola futebolística paulistana, mas a verdade é que, como falam para milhões de pessoas, terminarão por impor esse uso errado dos verbos ao resto do país. Perde-se alguma coisa? Vai alguém morrer em conseqüência disso? Não… então, só me resta ficar resmungando no meu canto, mesmo porque podem alegar que, no terreno da gramática, a zorra é total. Não se ouve na TV “as milhões de pessoas”? E como explicar por que o advérbio “sobre” passou a ser usado a torto e a direito em frases como “convencer as pessoas sobre a importância da lei” em vez de “da importância da lei” ou “ele discute sobre problemas sociais” em vez de “ele discute problemas sociais”?
Mas ao folhear um volume de Machado de Assis, deparo-me com a seguinte expressão: “A família Batista foi aposentada em casa de Santos”. Como aposentada na casa? Mas logo percebo que ele se refere aos aposentos que constituem uma casa, ou seja, a família Batista passou a ocupar um aposento da casa de Santos e, por isso, ficou “aposentada” ali. Descubro que a acepção atual é que é metafórica e decorrente daquela. E aí minhas convicções de patrulheiro vernacular começam a esvair-se. Continuo a folhear o livro: “o amor da glória”, em vez de “o amor à glória”, e pior: “a dona não adia da intenção de tomar o que era seu”. Não paro de me surpreender: “cabava de nascer”, por “acabava”, e este uso de “esquecer”: “também não me esqueceu o que ele me fez uma tarde”.
Diante disso, meto a língua no saco, se se pode dizer assim.

2 Respostas to "Proposta de carta dissertativa. Ferreira Gullar"

uii

Gente, Vou entrar no concurso dos correios de um texto carta dissertativo, preciso de ajuda, Alguem me ajuda?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: