Aula de redação

Proposta de redação da Federal da Bahia,UFBA

Posted on: junho 30, 2008

Redação

desenhos Rose

• Escreva sua Redação, com caneta de tinta AZUL ou PRETA, de forma clara e legível.
• Caso utilize letra de imprensa, destaque as iniciais maiúsculas.
• O rascunho deve ser feito no local apropriado do Caderno de Questões.
• Na Folha de Resposta, utilize apenas o espaço a ela destinado.
• Será atribuída pontuação ZERO à Redação que
– não se atenha ao tema proposto;
– esteja escrita a lápis, ainda que parcialmente;
– apresente texto incompreensível ou letra ilegível;
– esteja escrita em verso;
– apresente texto padronizado, comum a vários candidatos;
– NÃO SEJA RESPONDIDA NA RESPECTIVA FOLHA DE RESPOSTA;
– ESTEJA ASSINADA FORA DO LOCAL APROPRIADO;
– POSSIBILITE, DE ALGUMA FORMA, A IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO.


Uma leitura mais profunda sobre a temática da mulher revela, muitas vezes, uma imagem deturpada, provocando uma indagação, uma reflexão sobre as marcas do feminino,
presentes nos textos a seguir, que servirão de ponto de partida para a sua produção textual.
I. Nem é preciso repetir as profundas alterações sofridas pelo papel feminino no decorrer
das últimas cinco décadas. […]
Uma das questões suscitadas pelas transformações dos costumes diz respeito às
articulações entre o advento da puberdade e a aquisição do que se costuma chamar
“identidade de gênero”.
Atualmente é mais fácil verificar que as mudanças biológicas — obviamente manifestas
de formas diferentes para o menino e para a menina — não têm gerado os efeitos de
outrora em seus comportamentos e, até mesmo, na aparência física. Garotas e rapazes
convivem em salas mistas, usam uniformes idênticos, praticam os mesmos esportes,
preparam-se para as mesmas profissões. As fronteiras entre os respectivos papéis estão
cada vez mais diluídas.
Estas evidências comprovam a impossibilidade não apenas de atribuir a feminilidade
ou a masculinidade às diferenças anatômicas, como também de poder definir o tornar-se
homem ou tornar-se mulher apenas pela aprendizagem, ou aquisição, dos papéis de gênero
impostos pelo sistema social.
NASCIMENTO, Angelina Bulcão. Quem tem medo da geração shopping?

[…] A mulher sempre foi para o homem “o outro”, seu contrário e complemento. Se
uma parte do nosso ser deseja fundir-se nela, outra, não menos imperiosamente, a separa
e exclui. A mulher é um objeto, alternadamente precioso ou nocivo, mas sempre diferente.
Ao transformá-la em objeto, em ser aparte e ao submetê-la a todas as deformações que
seu interesse, sua vaidade, sua angústia e até mesmo seu amor lhe ditam, o homem
transforma-a em instrumento. Meio para obter o conhecimento e o prazer, via para atingir
a sobrevivência, a mulher é ídolo, deusa, mãe, feiticeira ou musa, conforme aponta Simone
de Beauvoir, mas nunca pode ser ela mesma. Entre a mulher e nós interpõe-se um fantasma:
o de sua imagem, da imagem que fazemos dela e da qual ela se reveste. Não podemos
sequer tocá-la como carne que se ignora a si mesma, porque entre nós e ela, desliza esta
visão dócil e servil de um corpo que se entrega. E com a mulher acontece o mesmo: não se
sente nem se imagina, a não ser como objeto, como “outro”. Nunca é dona de si. Seu ser se divide entre o que é realmente e a imagem que faz de si. Uma imagem que lhe foi impressa por família, classe, escola, amigas, religião e amante. Sua feminidade nunca se expressa, porque se manifesta por meio de formas inventadas pelo homem. […]
PAZ, Octavio. O labirinto da solidão e post scriptum

É TEMPO DE MULHER
a mulher ainda desespera
à espera do primeiro beijo
úmido de sim
e permissão de macho
a mulher no entanto conspira
na sua ira secular de silêncio
em sua ilha de nãos
e arremessos
exercitando batalhões oníricos
o relógio com suas obrigações e rugas
questiona eros
homo
hetero
o útero e seu mistério
sapato de salto
batom
rouge
e este inadiável instante etéreo
de saltar
para
dentro
de
si
na conquista do espaço além da moda
[…]
CUTI. É tempo de mulher. In: QUILOMBHOJE (Org.). Cadernos negros: os melhores poemas

COR DE ROSA CHOQUE
Nas duas faces de Eva
A bela e a fera
Um certo sorriso
De quem nada quer
Sexo frágil
Não foge à luta
E nem só de cama
Vive a mulher
Por isso não provoque
É cor-de-rosa choque
Não provoque
É cor-de-rosa choque
Mulher é bicho esquisito
Todo mês sangra
Um sexto sentido
Maior que a razão
Gata borralheira
Você é princesa
Dondoca é uma espécie
Em extinção
Por isso não provoque
É cor de rosa choque
Não provoque
É cor de rosa choque
CARVALHO, Roberto de; LEE, Rita. Cor de rosa choque.


Elabore um texto dissertativo, discutindo os aspectos distintos do que é ser mulher e ser homem numa sociedade plural e capitalista como a brasileira. Focalize, sobretudo, a desconstrução, a revisão e a reconstrução de paradigmas na sociedade
contemporânea no que se refere à relação “Homem/Mulher

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: